. Histórias de bobos – Doutores da Alegria

Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Histórias de bobos

1 de abril de 2013
Tempo de leitura: 1 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 0
Compartilhar 0

Que dia da mentira, que nada! No dia 1 de abril comemoramos o Dia dos Bobos. Ano passado falamos sobre a data aqui no Blog e sobre a origem dos bobos, que se cruza com a origem do palhaço – arquétipo que facilita o nosso trabalho nos hospitais.

Para ilustrar a teoria, indicamos a peça O Bobo do Rei, dirigida por Angelo Brandini, que é palhaço dos Doutores da Alegria, e compilamos duas boas histórias de bobos da corte. Veja:

O Bobo do Rei é uma livre adaptação de “Rei Lear” de William Shakespeare (1554-1616), escrita em 1605. É uma das principais tragédias do dramaturgo Inglês. No original, Lear é o velho Rei que para aproveitar ainda mais a vida, decide dividir o reino entre as três filhas. Convencido de que elas o amam, resolve que a partilha será feita de acordo com as declarações de amor que elas lhe prestarem. Informações sobre apresentações aqui.

———————————————————
“O bobo da corte era uma figura real comum na época de Shakespeare. Certo dia, mais entediado e neurastênico do que nunca, o rei mandou chamar o palhaço para distrai-lo com suas lorotas. O pobre palhaço com o repertorio esgotado, acabou repetindo alguma história, embora contada com bastante calor. Mas o rei, que estava mesmo sem paciência naquele dia, lhe disse:

Tome esta bengala. Ande com ela para cima e para baixo. Quando encontrar um mais bobo que você, passe a bengala para ele.
O palhaço saiu levando a bengala. Passado pouco tempo o rei adoeceu gravemente. Lá estava o palhaço fiel, com sua bengala, solícito e pronto para ajudar seu soberano e prepará-lo para a morte:
Majestade, o senhor já pensou o que o espera na outra vida?

Não! – respondeu debilmente o rei.
Preparou-se para o encontro com Deus, nosso juiz e pai?
Não!
Vossa Majestade nunca pensou no que o espera depois da morte? Então tome esta bengala, pois achei alguém mais bobo do que eu.”
————————————-

“O bobo conseguiu trabalho de barqueiro. Certo dia, transportando um gramático, este homem lhe pergunta:

O senhor conhece Gramática?

Não, em absoluto nada!, respondeu com firmeza o bobo.

Bem, permita-me dizer que você perdeu metade da sua vida!, replicou com desdém o erudito.

Pouco depois, o vento começou a soprar e a barca ficou a ponto de ser tragada pelas ondas. Justo antes de ir a pique, o bobo perguntou ao passageiro:

Sabe nadar?

Não!, contestou, aterrorizado o gramático.

Bom, permita-me dizer-lhe que você perdeu toda a sua vida!

——————–



Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Tags

1 de abril, bobo, bobo da corte, O Bobo do Rei, Rei, William Shakespeare

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.