. Duas em uma: um pouco de afeto e uma descoberta besteirológica – Doutores da Alegria

Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Duas em uma: um pouco de afeto e uma descoberta besteirológica

26 de junho de 2013
Tempo de leitura: 2 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 2
Compartilhar 0

De onde vem o afeto? 

O trabalho no hospital frequentemente nos emociona. Nesse mês saímos da enfermaria do T. muito “afetados”.

Ele estava ominubilado – nem dormindo nem acordado – quando deixamos uma consulta marcada pra próxima visita. O lembrete era um adesivo colorido. Perguntamos se ele ia cuidar do adesivo e ele balançou a cabeça concordando. Foi o nosso pacto.

Para nós foi um enorme ato de generosidade do menino, que está lutando contra uma doença muito grave e mesmo assim prometeu que cuidaria do adesivo até o nosso próximo encontro.

Nesse momento fomos tocados pela grandeza do ser humano, do quanto os pequenos são gigantes na luta pela vida. Ah, esses exemplos nos deixam bem orgulhosos de poder participar de momentos como estes, grandes assim…

E diretamente da Escola de Besteirologia…

Eu, Dra Mary En, juntamente com o Dr. Marmelo, desenvolvemos uma nova rotina besteirológica e queremos compartilhar com vocês! Eis que nós descobrimos como amolecer esqueletos enferrujados! E como toda boa experiência, tivemos um paciente que colaborou desde o princípio com a nova descoberta, o F.

1º passo – O diagnóstico
De violão em punho, entoamos a música “A mover o esqueleto”. O paciente não mexe um dedo sequer. A partir deste sintoma, identificamos o problema: esqueleto enferrujado!

2º passo: O prognóstico
Giramos o “rói-rói”, nosso instrumento besteirológico, perto das partes críticas do esqueleto do paciente: joelhos, cotovelos, pescoço…

3º passo: O exame físico
Com a música em alto e bom tom, o paciente começa a se movimentar, vai aos poucos e de repente… tan tan tan tan. O corpo começa a se requebrar todo igual a um esqueleto molinho!

4º passo: A evolução
Para estimular ainda mais o paciente na evolução do forró, quer dizer, na evolução do quadro clínico, sai do bolso da Dra. Mary En um pequeno esqueleto que se mexe absurdamente, estimulando o paciente ainda mais.

5º e último passo – A conclusão
Sem ao menos levar o caso para a comunidade científica, concluímos que o paciente desenferrujou o esqueleto e, se brincar, pode até conseguir um bico nas horas vagas como bailarino em alguma casa de show!

 

Para os interessados, basta visitar o F. no segundo andar da Oncologia. Ele desenferrujou tanto o esqueleto que basta nos ver e ele começa a requebrar! Sucesso!

Como somos gentis, vamos distribuir a letra da música para os médicos que quiserem evoluir com esta rotina. Basta nos procurarem lá no andar da Besteirologia (o único problema é que não construíram ainda…).

Dra. Mary En (Enne Marx)
Dr. Marmelo (Marcelo Oliveira)
Instituto Professor Fernando Figueira (IMIP) – Recife
Maio de 2013 



Categorias


Lá do arquivo

Doutores da Alegria


Postado em:

Tags

afeto, esqueleto, generosidade, música, vida

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
 
Comentário mais reagido
Tópico de comentário mais quente
2 Autores de comentários
KeilaLuciana Uyeda Autores recentes de comentários
  Receber notificação  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificação de
Luciana Uyeda
Visitante
Luciana Uyeda
Visitante

Eu amo vcs!!!!!!!!!

Keila
Visitante
Keila
Visitante

Que Deus abencoe Vcs!!!

Existem 2 Comentários.