. Dr. Zinho responde – Doutores da Alegria

Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Dr. Zinho responde

15 de julho de 2014
Tempo de leitura: 2 minutos

Doutores da Alegria

Comentario 0
Compartilhar 0

Dr. ZinhoVocê conhece o doutor Zinho? Este simpático besteirologista, especialista em descruzar palavras cruzadas, também é conhecido como Wellington Nogueira, fundador da ONG Doutores da Alegria.

Mais procurado que dente em boca de banguela, recentemente foi entrevistado pela Isabel Clemente, da revista Época, que quis saber sobre inspirações e episódios marcantes em sua carreira besteirológica nos hospitais.

Separamos três momentos especiais da entrevista, que refletem muito este trabalho e o nosso principal habitat: o hospital.

Isabel: É preciso estudar muito ou bagunçar mais? Que pessoas inspiram o senhor?
Precisamos encontrar o meio termo porque um complementa o outro. Estudar desenvolve o intelecto, e bagunçar, a habilidade prática. Tenho muitas inspirações. A maior inspiração, que está em primeiro lugar, são as crianças que encontro nos hospitais. Há 23 anos atuo nisso e até hoje elas me surpreendem com sua sabedoria. Não sei como cabe tanta sabedoria em pessoas tão pequenas. Nunca mais vou me esquecer da menina que disse “olha só, esta noite choveu flor!”, diante de flores caídas na calçada. Certa  vez, um menino de sete anos elaborou a perda de uma perna assim: “eu fiquei muito bravo, mas o médico conversou comigo e disse que eu vou ter uma prótese de plástico. Vou andar e fazer quase tudo que eu fazia com essa nova perna e, o mais legal, é que nem todo mundo vai ver. Já pensou se fosse a cabeça?”. A hora que ele falou isso, pensei “eu tenho muito o que aprender ainda”. Mas os grandes palhaços que abriram caminho pra nós também são importantes inspirações, como o Carequinha, o Manoel da Nóbrega, o Ronald Golias, o Renato Aragão. São tantos.

O senhor pode contar um episódio que tenha feito você rir?
O da cabeça de plástico me fez rir de me emocionar. Primeiro porque o menino com essa fala acalmou todo mundo à volta dele que estava pensando como ele enfrentaria a perda de uma perna. A sala inteira irrompeu numa gargalhada de alívio. Havia uma sensação de gratidão por ele ter falado aquilo, algo emanado diretamente do coração de um menino de 7 anos de idade. Eu nunca vou me esquecer desse moleque. Ele transformou o sentimento e o sofrimento com um discurso sincero.

Dr. Zinho no hospital

E outro que tenha feito o senhor chorar?
Uma vez, vi uma criança chegar de um atropelamento muito debilitada. Ela ficou um mês e meio dentro do hospital, que era um pavilhão de ortopedia. Um dia, a mãe disse “que bom que você está tendo alta pra voltarmos pra nossa casa”. A casa ficava embaixo de um viaduto, e a menina não queria ir embora porque no hospital ela comia cinco vezes por dia e ainda brincava. Mais do que me fazer chorar, me revoltou. Infelizmente, a gente vê histórias assim. E quando deparo com crianças que vão parar no hospital por um acidente doméstico que podia ter sido evitado. Tem muita criança que cai da laje empinando pipa ou brincando. Certa vez, vi esse menino forte, bonito, que ficou neurologicamente avariado pra sempre. Nunca mais seria normal por causa do golpe na cabeça. Por uma bobagem… Esses casos me fizeram levantar essa bandeira pra alertar pais, mães e escolas sobre as possibilidades de acidente, porque às vezes é uma bobisse que ceifa a vida de uma criança de forma irreversível. Isso sempre me entristece.

A entrevista completa você encontra aqui.



Categorias


Lá do arquivo

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.