. Com amor ao mestre Picolino – Doutores da Alegria

Para melhor visualização do site, utilizar navegador Google Chrome.

Blog

Com amor ao mestre Picolino

11 de dezembro de 2018
Tempo de leitura: 2 minutos

Gabriela Caseff

Editora do Blog. Atua na comunicação da Doutores da Alegria desde 2011 e é repórter na Folha de S.Paulo

Comentario 0
Compartilhar 0

“Sempre foi como um pai para mim. Mas um pai diferente… Meu pailhaço.”

Com o amparo das palavras carinhosas da palhaça Val de Carvalho prestamos nossa homenagem a Roger Avanzi, o palhaço Picolino, que faleceu nesta segunda-feira, dia 10 de dezembro.

A data, que já carrega duas celebrações importantes – o Dia do Palhaço e o Dia Mundial dos Direitos Humanos – será lembrada pela saída de cena deste grande palhaço brasileiro. Picolino tinha 96 anos e era mestre das artes circenses, uma referência para os artistas do Doutores da Alegria.

Esteve inúmeras vezes em nossa sede compartilhando conhecimento e espalhando afeto, como no encontro “Memórias de comediantes”, em 2011, em que três gerações de palhaços – Roger Avanzi (87), o palhaço Picolino; Fernando Sampaio (47), o palhaço Padoca; e Tomás (9), o palhaço Buzin – trocaram experiências.

E há dez anos, tornou-se o mais ilustre Doutor da Alegria, título do qual ele se orgulhava muito.

Roger Avanzi nasceu no dia 7 de novembro de 1922, no circo do seu pai, o Circo Nerino, quando este fazia uma temporada em São José do Rio Preto (SP). Nele cresceu e se formou artista: equilibrista, acrobata, ator, jóquei, músico e, por fim, palhaço, o Picolino II. “No começo, fazia porque tinha de substituir meu pai”, dizia ele, acrescentando que, aos poucos, o palhaço “entranhou dentro dele”.

Morando em São Paulo desde 1972, Avanzi ensinou sua arte em diversos centros de formação circense, como na Academia Piolin de Artes Circenses e a Escola Picadeiro. Foi mestre de muitos de nossos artistas, como Val de Carvalho, a palhaça Xaveco Fritza, que integrou o elenco do Doutores da Alegria.

“Eu era uma atriz muito jovem e rebelde e nem me dava conta de que naqueles tempos palhaço era “coisa só de homem”! E foi lá, no meio desse caldeirão quente, que entrei em contato pela primeira vez com o palhaço, durante as aulas ministradas pelo mestre Roger Avanzi, o palhaço Picolino.”, conta Val. “Picolino morre fazendo graça e poesia, no dia do palhaço, no dia da alegria. Me deixou grande herança de amor, de aprendizado e de amor ao próximo. Um legado que dividiu com muitos. Tinha uma dignidade admirável, daqueles que via bondade até onde eu olhava, olhava e não via. Ao meu mestre entrego todo o meu amor. Eternamente grata ao meu anjo da guarda que morava na terra. ”, finaliza.

“Picolino morre fazendo graça e poesia, no dia do palhaço, no dia da alegria.” Val de Carvalho

O velório de Roger Avanzi será realizado no Centro Cultural Olido, no centro de São Paulo, nesta terça-feira até as 15h. O sepultamento será realizado no Cemitério São Paulo.

Como na poesia criada pelo palhaço, “mas de uma coisa fiquem certos: para ser um bom palhaço é preciso alma forte e também nervos de aço”, desejamos alma forte aos que ficam sem seu querido mestre. E que o rastro de alegria que deixa entre nós também seja seu companheiro nesta travessia, Picolino! Obrigado por tudo!



Categorias


Lá do arquivo

Gabriela Caseff

Editora do Blog. Atua na comunicação da Doutores da Alegria desde 2011 e é repórter na Folha de S.Paulo


Postado em:

Referências

Tags

despedida, dia do palhaço, homenagem, palhaço Picolino, picolino, roger avanzi, Val de Carvalho

Deixe um comentário

avatar
  Receber notificação  
Notificação de
Existe 0 Comentário.